A doença que quase acabou com uma dinastia

A Hemofilia é uma doença genético-hereditária onde a coagulação do sangue é problemática, podendo matar uma pessoa com apenas um machucado comum do dia a dia.

E esse foi o caso do filho mais velho da Rainha Victória da Inglaterra, que morreu dez dias antes de seu aniversário de 31 anos.

Leopoldo era Duque de Albany mas descobriu que era portador do gene do cromossoma X quando ainda era pequeno, aos 3 anos de idade, e foi então que toda a família real entrou em pânico.

Outras três filhas da rainha também tinham a doença (Vicky, Alice e Beatriz), mas foi descoberto apenas quando eram mais velhas, já que a Hemofilia é mais comum em homens e não se manifesta muito quando uma mulher o tem, mas por não saberem que eram doentes, quando casaram com outros príncipes europeus, acabaram disseminando ainda mais a doença pelo continente, já que ela é transmissível.

Na época o conhecimento sobre esse assunto era muito pouco, mas supôs-se que o gene teria vindo do lado da rainha Victória, o que se confirmou um tempo depois, já que a doença ocorria frequentemente quando os pais possuem filhos quando são velhos, que foi o caso do Duque de Kent e Strathearn, Eduardo, o pai da rainha Victória.

O caso estava ficando cada vez mais fatal e a familia real inglesa estava com medo de perder sua dinastia como um todo, já que todos poderiam ter a doença, fazendo com que a morte ficasse ainda mais possível, já que na época a morte ainda era bem mais comum que hoje em dia.

A Hemofilia era uma ameaça à vida naquela época, já que durante o século 19 a mortalidade ainda era alta, principalmente em crianças. Ela faz com que qualquer doença fique ainda pior, já que o sangue não é bem coagulado.

Como o Duque de Albany morreu?

Quando descobriu que tinha a doença, Leopoldo foi muito bem cuidado para evitar a morte, mas em 1861 contraiu sarampo e quase morreu, diziam que foi um milagre sua melhora.

Mas em 1884 esse milagre não ocorreria novamente, ele tinha machucado o joelho duas vezes seguidas, e na segunda vez acabou tendo uma hemorragia e morreu em menos de 24 horas.

Em uma pessoa sem Hemofilia, isso apenas seria um incômodo e em alguns dias já estaria andando novamente, mas para o Duque de Albany, esse foi o fim.

Casas reais com Hemofilia

Infelizmente essa doença acabou se espalhando, através da família real inglesa, para outras dinastias através das irmãs do Duque.

Vicky se casou com um membro da casa Hohenzollern do Império Alemão e Alice foi para a casa de Hesse-Darmstadt.

Alguns anos depois, surgiu mais casos dentro da dinastia de Bourbon da Espanha e também na casa Romanov da Rússia, pois as netas da Rainha Victória se casaram.

Esses casamentos foram de Alice de Hesse e Reno com o Czar Nicolau II e Vitória Eugénia de Battenberg com Alfonso XIII da Espanha.

História Tudor: Elizabeth I

Sem nenhuma duvida de quem sucederia o trono, em janeiro de 1559 Elizabeth I foi coroada rainha da Inglaterra. Conhecida como Gloriana, a jovem Rainha das Fadas, desta vez, uma mulher foi recebida de braços abertos pela população.

Mesmo com todos os gritos de aprovação com a nova rainha, ainda restava um obstáculo para Elizabeth, se casar. O que era um grande desafio, pois ela se considerava casada com o seu povo. Um herdeiro era necessário para manter a dinastia intacta, porém ela nunca pensou na possibilidade, nunca se vira como a esposa de um rei. Não aceitaria que um homem governasse o seu país, o seu povo.

Conhecida também como “a rainha virgem”, muitos especulam até hoje o que realmente aconteceu para que ela nunca tenha se casado.

O seu único interesse romântico conhecido da época foi Robert Dudley, seu amigo de infância. Todos sabiam que ele era o “favorito da rainha” mas nunca conseguiram provar um romance verdadeiro. Mesmo que Elizabeth demonstrasse ter ciúmes de Robert, nunca considerou casar-se com ele. Os dois permaneceram amigos até o último dia de suas vidas.

Infância

A princesa Elizabeth teve uma vida difícil enquanto crescia pois sua mãe, Anne Boleyn, foi condenada por traição, isso significava que ela poderia ser uma filha ilegítima. E isso logo surgiu na cabeça de Henry VIII, seu pai.

Portanto, cresceu longe de sua família e não tinha mais direito ao trono. Apenas em 1543 que foi considerada realmente filha do rei.

Religião

Ao contrário de sua irmã Mary I, decidiu ir por um caminho com mais aceitação e tolerância religiosa, pois mesmo sendo protestante, não obrigava seus súditos a seguirem a mesma religião e assim acabou com a perseguição religiosa que havia se instaurado no país com a rainha anterior.

Invencível armada

Em 1588, o rei da Espanha organizou uma armada para atacar a Inglaterra e acabar com a influência que o país tinha sob os Países Baixos. Com a vantagem sendo da Espanha, por ter um número de navios superior, todos achavam que a vitória era óbvia, mas com todos os investimentos que a Inglaterra havia feito em sua frota, seus navios eram mais bem preparados para aguentar um imprevisto. E foi exatamente o que aconteceu. A maior tempestade que os tripulantes já haviam visto aconteceu durante a guerra e os navios espanhóis não aguentaram e afundaram. A baixa de navios e tripulação foi alta para os dois lados mas a Espanha levou a pior nesse episódio.

Em terra firme, em Tilbury, a rainha Elizabeth I aguardava a frota espanhola para a batalha, enquanto dava um discurso encorajador para seus súditos apenas algumas horas antes de saber que já havia ganhado a guerra.

Eu venho até vocês, como vêem, neste momento, não para entreter-me ou divertir-me, mas estando decidida a viver ou morrer entre vocês, no calor da batalha […] Sei que tenho o frágil e fraco corpo de uma mulher, mas eu tenho o coração e estômago de um Rei, e de um Rei da Inglaterra também.

Sabendo que naquela época, a mulher era vista como incapaz e apenas homens lutavam, fez este discurso principalmente para que não fosse julgada pelo seu povo e mostrar que era capaz de qualquer coisa.

Novo mundo

Em 1584, Elizabeth queria expandir seus horizontes e enviou Walter Raleigh para navegar as águas da América do Norte e assim, descobriu e colonizou Virginia (nome dado em homenagem à rainha), agora um dos 50 estados dos Estados Unidos.

No ano seguinte, com a ajuda de John White, um famoso explorador, descobriram Roanoke Island, agora conhecida como Carolina do Norte. Raleigh também passou pela costa brasileira, descobrindo novos animais e especiarias. Também pensou ter descoberto o El Dorado, uma lenda onde diz que havia uma cidade feita inteiramente por ouro e ter inúmeros tesouros.

Últimos anos

Imagem do Google

Depois de ter pego varíola e a doença ter deixado várias manchas em sua pele e pouco cabelo em sua cabeça, quanto mais sua fisionomia mudava, mais Gloriana ficava aborrecida, já que sua imagem era extremamente importante em seu trabalho.

Em 1598, a rainha começou a trocar cartas com Jaime VI, o filho de Mary Stuart e rei da Escócia. Um de seus conselheiros, Robert Cecil, fez com que todas as cartas fossem enviadas em extrema confidencialidade.

Em 1603 as coisas começaram a piorar quando alguns amigos próximos de Elizabeth morreram e isso a deixou com depressão. Alguns meses depois do incidente, decidiu entrar em seu quarto, no palácio de Richmond, e se recusava a sair, morrendo pouco tempo depois.

Em suas últimas palavras, disse que deixava seu trono para Jaime VI, terminando assim, uma linhagem inteira dos monarcas da casa Tudor.

História Tudor: Henry VIII

O inicio

Conhecido por ser louco ter se casado seis vezes e decapitado grande parte, ter desafiado a igreja católica e mandado vários exércitos para a morte. Quando Henry subiu ao trono, em 1509, não podia nem imaginar o que aconteceria nos seus anos de reinado.

Imagem do Google

Porém, antes desta fama, outra parte de Henry era conhecida, a de um jovem que ascendeu ao trono com apenas 18 anos, inteligente, atlético, musicista, amante de justas e bailes, que iria levar o reino da Inglaterra aos seus melhores anos.

Na infância, por ser o filho homem mais novo, nunca foi o favorito. Recebeu uma educação muito diferente de seu irmão, enquanto Artur recebia um berçário exclusivo, Henry compartilhava um com sua irmã Margaret.

Sua primeira grande aparição, com apenas 3 anos de idade, foi quando Perkin Warbeck, um impostor que dizia ser o duque de York aprisionado anos antes e conseguiu apoio de algumas pessoas, e o pai de Henry precisou mostrar seu segundo filho para a população e o declarou o genuíno duque de York. Foi preparado um grande espetáculo que durou dois dias, com paradas, banquete, cerimônia de cavalaria, e nomeação.

Artur

Com uma vida muito diferente de seus irmãos, Artur vivia em Ludlow, na fronteira com o País de Gales, tendo seus estudos e treinamento para quando fosse nomeado rei. Com apenas 3 anos, ele foi prometido em casamento para uma princesa espanhola chamada Catalina de Aragão, casando-se aos 13 anos por procuração, junto ao embaixador espanhol, com a princesa. Quando se encontraram pela primeira vez, perceberam que não conseguiam se compreender, pois cada um havia aprendido uma pronuncia diferente do latim. Se casaram pessoalmente na catedral de Saint Paul, em 1501 mas apenas 5 meses mais tarde, Artur morreria.

Sendo agora o próximo ao trono, Henry recebeu o título de Príncipe de Gales mas não ganhou uma cerimônia. O problema agora era que ele precisava de um treinamento de rei, então seus estudos e treinamento físicos se tornaram cada vez mais intensos. Aos 14 anos, era praticamente a sombra de seu pai, vivendo sempre ao seu lado. Em 1503, o rei percebeu que Henry logo precisaria de uma esposa, e para ele, a escolha óbvia era Catalina, a viúva de Artur. Porém, pouco tempo depois a mãe de Catalina viria a óbito e consequentemente, a herança de Catalina reduziria drasticamente, tornando o casamento desvantajoso. O rei decidiu deixar a noiva sem saber que o casamento não aconteceria, e a deixou em uma das residências reais, longe de tudo. Quando orei morreu, em 1509, Henry (que agora era rei), decidiu casar-se com Catalina e em junho se realizaria a cerimonia.

Reforma Religiosa

O rompimento com a igreja católica foi um movimento estratégico do rei para conseguir um divórcio de sua esposa Catalina de Aragão e casar-se com Anne Boleyn. Para isso, era necessário que o papa aceitasse seu pedido de divórcio, mas foi recusado por Clemente VI, e isso foi a gota d’água para Henry pois desde a guerra dos cem anos a Inglaterra tinha problemas políticos com Roma.

Em 1534, quando o Henry VIII foi excomungado pela Igreja Católica, foi decretado o Ato de Supremacia, onde o rei era o chefe supremo da Igreja da Inglaterra, também conhecida como Igreja Anglicana, ou seja, o rei decidia tudo o que acontecia ali dentro, como nomear nomes para cargos eclesiásticos e também começou a confiscar as terras e bens que a Igreja Católica possuía dentro de seu país, como terras de mosteiros.

Saúde

Imagem do Google

Em 1536, a saúde do rei estava gravemente debilitada, mesmo quando estava obeso e com muita dificuldade de se locomover, com gota, diabetes e cheio furúnculos pelo corpo, decidiu participar de uma justa na qual sofreu um acidente que acabou agravando um ferimento na perna. Foi tão grave que nenhum médico da época conseguiu melhorar a situação, e cada dia mais o machucado piorava, causando uma infecção que incapacitou o rei até o fim de seus dias. Alguns historiadores dizem que este acidente foi o que causou uma mudança tão brusca de humor e comportamento.

Regência

Nos dias finais de seu reinado, Henry decidiu escrever um testamento onde colocaria instruções para o reinado de seu filho, que tinha apenas 9 anos e temendo que fizessem seu filho de marionete, mandou que o país fosse comandado por um Conselho de Regência, onde todos teriam a mesma autoridade. Enquanto estava escrevendo quem iria compor este conselho, em janeiro de 1547, Henry deu seu último suspiro.

História Tudor: Torre de Londres I

Muito melhor que fazer uma viagem, é conhecer e entender o local para onde estamos indo.

Além de filmes e livros, também é possível fazer uma viagem para Londres e conhecer um dos palcos mais importantes para a história do país, a Torre de Londres.

Separei esta publicação em três partes para mostrar um pouquinho de como é o lugar, sem que você tenha que sair de casa.

Uma torre com quase mil anos de história e curiosidades para você descobrir. Com certeza é um ótimo passeio para quem está pensando em conhecer Londres e a história da Inglaterra. É um local tão importante que foi declarado patrimônio mundial pela UNESCO.

Ao contrário do que o nome diz, não é apenas uma simples torre e sim um complexo medieval.

E bota complexo nisso! A construção durou muitos anos. Tudo começou em 1070 por Guilherme, o Conquistador. A ideia era construir uma fortaleza para proteger o reino, mas só ficou pronta em meados de 1100. Mesmo tantos anos depois, até hoje a parte construída por Guilherme é a que mais se destaca hoje em dia, sendo a maior torre do complexo. Todas as outras construções foram construídas ao longo do tempo, até o final do século XVI.

Com o passar dos anos, ela foi sendo utilizada para várias coisas, como palácio, prisão e até zoológico. Isso mesmo, podemos dizer que os visitantes mais inusitados e especiais eram os animais.

Imagem por Paula Santinati

Antigamente era comum os monarcas ganharem mimos diferenciados, e os animais eram visto como um presente especial. Por isso, eles eram colocados em exposição na entrada da Torre, onde serviam de entretenimento

O maior problema é que não adequavam o habitat do animal e os coitados obviamente morriam muito cedo pois um pinguim, por exemplo, não conseguiria sobreviver em um ambiente de 30 graus.

O nome do zoológico era Royal Beats e foi fechado em 1832.

Para demonstrar o cenário daquela época, atualmente podemos encontrar alguns animais falsos espalhados pela Torre.

Imagem por Paula Santinati

Cultura dos corvos

No século XVI, o rei Charles ll decretou que o local deveria ter 6 corvos pois, segunda sua superstição, se os corvos deixarem a Torre, o Reino cairá. Curiosamente, essa tradição é seguida até hoje.

Continua

Mulheres Revolucionárias: Imperatriz Matilde

Alguns séculos atrás, o poder era todo dos homens. Na era medieval não existia meio termo. Mas na Inglaterra, uma mulher tentou mudar isso.

Sua casa é Normanda por nascimento e Plantageneta pelo segundo casamento. É filha do rei Henry I da Inglaterra.

Em 1141, Matilde se tornava a primeira mulher a tentar governar a Inglaterra por seu próprio direito, mas você não a encontrará na lista de monarcas ingleses pois essa tentativa de assumir a coroa colocou o país em uma guerra civil. Por este mesmo motivo ela era vista como uma pessoa terrível. Como uma mulher ousaria desafiar a ideia de que apenas os homens poderiam governar um país?

Não havia nenhuma lei explícita dizendo que uma mulher não poderia usar a coroa, mas também nunca houve sequer a intenção de colocar uma herdeira como próxima ao trono. Os reis sempre precisavam de um filho para a sucessão poder continuar.

O rei Henry I, pai de Matilde, fez de tudo para que houvesse um herdeiro. Casou sua filha na esperança de um neto, para que assim, a criança pudesse governar. Mas o rei viera a falecer antes deste bebê ter idade suficiente para usar a coroa.

Percebendo uma oportunidade com a morte de Henry I, Stephen, primo de Matilde, se autocoroou rei.

Uma crônica chamada Gesta Stephani, os Feitos de Stephen dizia:

“Não havia outra pessoa capaz de tomar o lugar do rei e pôr um fim aos grandes perigos que ameaçavam o reino.”

Escrita por um monge amigo da corte de Sthephen, o mostrava como um herói, mas infelizmente ninguém estava escrevendo a história de Matilde.

Se mostrando incapaz de governar o país, várias cidades estavam entrando em colapso apenas um ano depois de sua coroação. Matilde começou a ganhar cada vez mais apoio por conta disso.

Mesmo com sua força militar menor que o exército de Stephan, Matilde conseguiu enfraquece-lo com táticas de guerrilha, e assim começara a guerra civil que duraria por dois anos.

Em fevereiro de 1441, Matilde ganha a luta e aprisiona seu primo.

Conseguindo aliados na Igreja, Matilde vira uma nova esperança em conseguir seu trono de volta.  Agora, cinco anos depois de seu pai falecer, ela finalmente conseguiria se tornar rainha da Inglaterra, governando por seu próprio direito.

Mas no dia de sua coroação, ataques interromperam a cerimonia. Era o começo de uma nova guerra. Seu povo dizia que a futura rainha era mandona e arrogante, em vez de amorosa e modesta e isso não era condizente com seu sexo.

Reis não se mostram frágeis e amáveis, eram sempre autoritários. Mas quando uma rainha tentou fazer isso, foi má vista por seu povo. Vendo todos os acontecimentos, a Igreja novamente muda de lado, dizendo que ela não poderia se tornar rainha.

Matilde percebe que não conseguiria vencer esta luta sendo rainha, mas sim como mãe de um rei.

Vendo que também não teria o apoio do povo da Inglaterra, Stephan, que continuava como rei, decidiu fazer um acordo. Continuaria seu governo, mas reconheceria Henry, filho de Matilde, como seu sucessor.

No final, ela desistiu de seu próprio poder para garantir que a dinastia continuasse.

Matilde morreu em 10 de setembro de 1167, com 65 anos.