Castelo flutuante: o navio do rei Hans

Milhares de castelos eram construídos durante a época medieval, mas poucos reis e rainhas foram tão ousados quanto o rei dinamarquês-norueguês Hans. Ele tinha um castelo flutuante.

O navio do rei Hans afundou em 1495, mas só em agosto de 2022 é que essa história foi descoberta pelos pesquisadores da Universidade de Lund, do Museu Blekinge e também do Museu Dinamarquês do Navio Viking. O naufrágio foi encontrado na costa de Ronneby, na Suécia.

Esse navio de guerra se chamava Gribshunden mas tinha um propósito bem diferente dos outros navios, pois não fazia apenas expedições e combates marítimos, mas também foi uma espécie de centro administrativo já que o rei tinha um objetivo bem claro em sua vida: unificar a Europa nórdica.

Foi exatamente no mesmo ano do naufrágio que ele chegaria em em Kalmar, na Suécia, para ser eleito governante e fazer a união escandinava. E para impressionar o conselho sueco, estava carregado de mercadorias de prestígio, mas acabou não chegando até o seu destino final.

Mesmo ele sendo um dos mais bem-preservado da Era da Exploração, o motivo do acidente ainda é um mistério mas os pesquisadores acreditam que por algum motivo aconteceu um incêndio no ancoradouro de Ronneby (Suécia).

A história conta que cerca de 150 homens a bordo morreram mas naquele momento o rei e toda a comitiva estavam em terra firme.

História Tudor: Henry VIII

O inicio

Conhecido por ser louco ter se casado seis vezes e decapitado grande parte, ter desafiado a igreja católica e mandado vários exércitos para a morte. Quando Henry subiu ao trono, em 1509, não podia nem imaginar o que aconteceria nos seus anos de reinado.

Imagem do Google

Porém, antes desta fama, outra parte de Henry era conhecida, a de um jovem que ascendeu ao trono com apenas 18 anos, inteligente, atlético, musicista, amante de justas e bailes, que iria levar o reino da Inglaterra aos seus melhores anos.

Na infância, por ser o filho homem mais novo, nunca foi o favorito. Recebeu uma educação muito diferente de seu irmão, enquanto Artur recebia um berçário exclusivo, Henry compartilhava um com sua irmã Margaret.

Sua primeira grande aparição, com apenas 3 anos de idade, foi quando Perkin Warbeck, um impostor que dizia ser o duque de York aprisionado anos antes e conseguiu apoio de algumas pessoas, e o pai de Henry precisou mostrar seu segundo filho para a população e o declarou o genuíno duque de York. Foi preparado um grande espetáculo que durou dois dias, com paradas, banquete, cerimônia de cavalaria, e nomeação.

Artur

Com uma vida muito diferente de seus irmãos, Artur vivia em Ludlow, na fronteira com o País de Gales, tendo seus estudos e treinamento para quando fosse nomeado rei. Com apenas 3 anos, ele foi prometido em casamento para uma princesa espanhola chamada Catalina de Aragão, casando-se aos 13 anos por procuração, junto ao embaixador espanhol, com a princesa. Quando se encontraram pela primeira vez, perceberam que não conseguiam se compreender, pois cada um havia aprendido uma pronuncia diferente do latim. Se casaram pessoalmente na catedral de Saint Paul, em 1501 mas apenas 5 meses mais tarde, Artur morreria.

Sendo agora o próximo ao trono, Henry recebeu o título de Príncipe de Gales mas não ganhou uma cerimônia. O problema agora era que ele precisava de um treinamento de rei, então seus estudos e treinamento físicos se tornaram cada vez mais intensos. Aos 14 anos, era praticamente a sombra de seu pai, vivendo sempre ao seu lado. Em 1503, o rei percebeu que Henry logo precisaria de uma esposa, e para ele, a escolha óbvia era Catalina, a viúva de Artur. Porém, pouco tempo depois a mãe de Catalina viria a óbito e consequentemente, a herança de Catalina reduziria drasticamente, tornando o casamento desvantajoso. O rei decidiu deixar a noiva sem saber que o casamento não aconteceria, e a deixou em uma das residências reais, longe de tudo. Quando orei morreu, em 1509, Henry (que agora era rei), decidiu casar-se com Catalina e em junho se realizaria a cerimonia.

Reforma Religiosa

O rompimento com a igreja católica foi um movimento estratégico do rei para conseguir um divórcio de sua esposa Catalina de Aragão e casar-se com Anne Boleyn. Para isso, era necessário que o papa aceitasse seu pedido de divórcio, mas foi recusado por Clemente VI, e isso foi a gota d’água para Henry pois desde a guerra dos cem anos a Inglaterra tinha problemas políticos com Roma.

Em 1534, quando o Henry VIII foi excomungado pela Igreja Católica, foi decretado o Ato de Supremacia, onde o rei era o chefe supremo da Igreja da Inglaterra, também conhecida como Igreja Anglicana, ou seja, o rei decidia tudo o que acontecia ali dentro, como nomear nomes para cargos eclesiásticos e também começou a confiscar as terras e bens que a Igreja Católica possuía dentro de seu país, como terras de mosteiros.

Saúde

Imagem do Google

Em 1536, a saúde do rei estava gravemente debilitada, mesmo quando estava obeso e com muita dificuldade de se locomover, com gota, diabetes e cheio furúnculos pelo corpo, decidiu participar de uma justa na qual sofreu um acidente que acabou agravando um ferimento na perna. Foi tão grave que nenhum médico da época conseguiu melhorar a situação, e cada dia mais o machucado piorava, causando uma infecção que incapacitou o rei até o fim de seus dias. Alguns historiadores dizem que este acidente foi o que causou uma mudança tão brusca de humor e comportamento.

Regência

Nos dias finais de seu reinado, Henry decidiu escrever um testamento onde colocaria instruções para o reinado de seu filho, que tinha apenas 9 anos e temendo que fizessem seu filho de marionete, mandou que o país fosse comandado por um Conselho de Regência, onde todos teriam a mesma autoridade. Enquanto estava escrevendo quem iria compor este conselho, em janeiro de 1547, Henry deu seu último suspiro.